Melhoria na qualidade do atendimento ao usuário de Goiânia foi a pauta de reunião administrativa realizada nesta segunda-feira  (11/1) entre o prefeito em exercício Rogério Cruz e auxiliares do governo municipal. O encontro foi realizado no quinto andar do Paço Municipal por mais de duas horas e reuniu os titulares da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), Secretaria Municipal de Finanças (Sefin), Secretaria de Governo (Segov), Secretaria de Mobilidade (SM), Procuradoria-Geral do Município (PGM), Controladoria -Geral do Município ( CGM), Secretaria de Prioridades Estratégicas e representante do sindicato das Empresas de Transportes (SET). 

Ao final da reunião, o presidente da CMTC, Murilo Guimarães Ulhôa, adiantou que por determinação do prefeito essa equipe vai trabalhar em conjunto nos próximos 10 dias na formatação de uma proposta com adequações ao plano emergencial do governo estadual para o transporte público, plano esse apresentado no ano passado em decorrência da pandemia Covid-19. “Um estudo será feito sobre a participação de Goiânia no plano apresentado pelo governo estadual com atenção ao mês de abril do ano passado até hoje, período mais crítico da pandemia e que afetou o serviço.

“O que precisamos observar é a participação dos outros 16 municípios da RMTC que fazem parte do plano emergencial e que nós precisamos estudar uma forma de participação do Estado, porque esses municípios representam 23% no plano”, disse Ulhôa.

De acordo com o presidente da CMTC, a Prefeitura de Goiânia também determinou que além  desses estudos fosse feito um projeto de remodelagem do serviço de transporte com soluções para a capital, Aparecida de Goiânia e municípios. “Estamos definindo as soluções e essa equipe ficou responsável por apresentar as ações que podem ser desenvolvidas no sistema visando solução”, afirmou Ulhôa.

Sobre tarifa e reajustes no valor atual (R$ 4,30), o presidente da CMTC foi enfático ao afirmar que “por determinação do prefeito Rogério Cruz a pauta reajuste não entrará em debate pelos próximos 12 meses”.

Bianca Benetti, da assessoria de imprensa da CMTC