A Prefeitura de Goiânia deu sequência, no sábado (30/07), à substituição de árvores que quebravam o asfalto e que causavam acidentes em mais dois trechos da Agrovia Castelo Branco que ligará o Viaduto da GO-070 à Praça Ciro Lisita, em percurso de seis quilômetros. Para cada espécie retirada, são plantadas outras 10 no local ou imediações. No total, são 3.610 novas árvores com tamanho superior a dois metros. As atividades fazem parte do projeto de revitalização, em parceria com a comunidade e a iniciativa privada, cuja meta é transformá-la no maior polo de comércio agropecuário do Brasil.

Executada com aval de laudos técnicos emitidos pela Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma) e engenheiro ambiental, a etapa contempla trechos entre Avenida Consolação e Praça Dom Prudêncio, e entre Bairro Ipiranga e Cidade Jardim. No total, são aproximadamente 2,5 quilômetros de trabalho realizado por equipes da Companhia Municipal de Urbanização de Goiânia (Comurg).

A retirada das árvores é feita conforme o andamento da obra, com plantio imediato de novas mudas. A etapa iniciada neste sábado compreende a segunda de seis. Nos dois trechos, foram inicialmente retiradas 141 árvores das 364 a serem substituídas. As mudas são plantadas quando o piso drenante é assentado, com espécies adequadas para ambos os trechos, seguindo determinação das equipes técnicas. Isso se deve à variabilidade genética das espécies.

A orientação quanto às espécies vem dos técnicos da Diretoria de Áreas Verdes e Unidades de Preservação e Conservação Ambiental da Amma. O presidente da agência, Luan Alves, explica que esse plantio será “na própria Agrovia, nos passeios públicos e proximidades dos trechos a serem revitalizados, como medida de compensação ambiental”. Outro cuidado nesse plantio se dá no distanciamento de 14 metros entre uma muda e outra, para evitar que as copas se encontrem.

No primeiro trecho da Agrovia, foram substituídas árvores por mudas de Ipês Amarelos da Avenida Pirineus até o cruzamento com Avenida Bandeirantes. Toda o processo de substituição das árvores na obra tem embasamento dos laudos técnicos.

Agrovia Castelo Branco
O projeto de repaginação da Avenida Castelo Branco foi produzido pela comunidade da região e doado para a prefeitura por meio do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Goiânia (Codese), em parceria com a Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (Acieg).

A Agrovia Castelo Branco objetiva a consolidação do maior polo de comércio agropecuário do Brasil. “Esse projeto foi aprovado há dois anos, inclusive com o aval do Ministério Público”, afirma Ricardo Cantaclaro, que há quase 60 anos faz parte da comunidade que vive e trabalha na região.

“A gente levou um documento com 500 assinaturas à promotoria, que se manifestou favoravelmente à substituição. Existem também laudos técnicos que chancelam esse trabalho. É uma discussão que está sendo feita há muito tempo”, afirma Ricardo Cantaclaro.

A coordenação do projeto e sua implementação está a cargo da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh), por meio da Unidade Executora do Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns (Puama).

Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) – Prefeitura de Goiânia

Agrovia Castelo Branco

compensaçãoambiental

prefeitura de goiânia