Coronavírus

Pandemia: Goiânia deve prorrogar restrições por mais 14 dias

Em reunião virtual com prefeitos da Região Metropolitana neste sábado (13/3), o prefeito da capital, Rogério Cruz, disse que vai acompanhar o decreto do Governo do Estado, que deve trazer novas medidas no combate à Covid-19

Publicado em: 13 de março de 2021 às 14:34 | última atualização: 13 de março de 2021 às 14:34

Tamanho da fonte:
-A A A+

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, em reunião virtual com os prefeitos da Região Metropolitana, anunciou que Goiânia deve ampliar por mais 14 dias as medidas restritivas de combate à Covid-19. Se confirmadas, as novas regras do decreto do Governo do Estado passam a valer a partir da próxima segunda-feira (15/3).

Anfitrião da reunião, Rogério Cruz defendeu medidas mais duras para o enfrentamento da pandemia em Goiânia e voltou a reafirmar que a abertura de mais leitos não é a única que soluciona a crise sanitária. "Compreendemos a gravidade do momento em que Goiânia e Goiás vivem mas, como eu tenho dito, a simples abertura de leitos não é garantia de sobrevivência. Estamos empenhados em vencer esta pandemia com a participação de todos", afirmou o prefeito.

O decreto da Prefeitura de Goiânia vai acompanhar na íntegra o decreto do Governo do Estado, e algumas medidas que devem estar no documento foram abordadas pelo secretário de Governo, Andrey Azeredo, como a volta do atendimento em sistema Drive Thru e pegue e leve em bares e restaurantes, além da venda exclusiva de produtos alimentícios e de limpeza em supermercados, fechamento das lojas de conveniências, e o funcionamento de igrejas apenas para atendimentos individuais, sem a realização de missas ou cultos.

Durante o encontro, o secretário municipal de Saúde, Durval Pedroso, apresentou números e alertou para a gravidade do momento. “A situação é calamitosa, enfrentamos dificuldade em vagas, uma vez que existe limite físico e humano para abertura de leitos.” O gestor da pasta ressaltou ainda que a saúde municipal conseguiu abrir um credenciamento emergencial em tempo mínimo, recebendo, em três dias, 7 mil pessoas e já tem mais de 350 credenciadas.

Fiscalização

Cerca de 150 auditores fiscais e guardas civis metropolitanos trabalham dia e noite para coibir irregularidades. Segundo balanço realizado pela Central de Fiscalização Covid-19, do início do último decreto, 1º de março, até a última quinta-feira (11/3), foram realizadas 6.917 abordagens, resultando em 82 notificações e 114 autuações a estabelecimentos que descumpriam as normas vigentes. Ao todo, 440 estabelecimentos comerciais foram fechados, sendo em sua maioria, academias, distribuidoras de bebidas e lanchonetes.  

Ações
Dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) mostram que, em um ano de pandemia, houve recorde de abertura de leitos em tempo mínimo, chegando a 472 leitos abertos, sendo 262 em UTI e 210 nas enfermarias. A perspectiva é de abertura de mais 10 leitos de UTI e 20 de enfermaria no Hospital das Clínicas da UFG. Ainda segundo a SMS, devem ser criados mais 10 leitos no Hospital e Maternidade Célia Câmara.

“Por outro lado, estes mesmos leitos nunca foram ocupados tão rapidamente. É como se criássemos um leito já com mais de um ocupante. Hoje, por exemplo, temos 259 pacientes internados, chegando bem perto dos 100% de ocupação”, alertou Durval Pedroso. 

Ana Paula Almeida, da Diretoria de Jornalismo