Administração

Mulheres são maioria na Prefeitura de Goiânia

68% dos cargos são compostos por servidoras em diferentes pastas e funções, de acordo com a Secretaria Municipal de Administração (Semad)

Publicado em: 08 de março de 2021 às 10:22 | última atualização: 08 de março de 2021 às 11:24

Tamanho da fonte:
-A A A+

Na Prefeitura de Goiânia, as mulheres conquistam cada vez mais espaço e o Dia Internacional da Mulher é para ser comemorado, pois estão em diferentes pastas e funções, com salários em igualdade aos dos homens.

De acordo com dados da Secretaria de Administração (Semad), 68% dos cargos da Prefeitura são ocupados por mulheres. A Prefeitura de Goiânia tem 52.895 servidores,  sendo que 35.803 são mulheres (68%) e 17.092 são homens (32%).

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, destaca que os números confirmam a valorização das mulheres no serviço público municipal.  "A evolução delas é constante e hoje temos mulheres em diferentes funções seja no comando das secretarias ou naquelas onde era comum termos mais homens. Acredito na importância do espaço feminino seja na  política ou na gestão pública para termos uma sociedade melhor e mais igualitária", afirma.

A secretária municipal de Administração, Marcela Teixeira, ressalta  que a ocupação dos cargos por mulheres na Prefeitura é um exemplo a ser seguido por outros lugares, seja em órgãos públicos ou iniciativa privada.

"Aqui, as mulheres concorrem em igualdade de condições com os homens, têm as mesmas oportunidades, cargos e salários, algo que deveria acontecer sempre e acabam se destacando pelo trabalho e qualidade no atendimento a população", destaca.

O ambiente da administração municipal é extremamente favorável às mulheres em comparação com a sociedade de modo geral. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que as mulheres estão ocupando 44% das vagas do mercado formal de trabalho no país em relação aos homens. Números mostram ainda que a remuneração em diversos lugares possui desigualdade de gênero, com as mulheres ganhando até 22% menos do que os homens para desempenhar funções similares.

Luciano Joka, da editoria de Administração