Estamos migrando o conteúdo dos antigos sites da Prefeitura. Se não encontrar o que está procurando, CLIQUE AQUI e acesse o site antigo.

VOLTAR para o site antigo.

BETA i

Coronavírus

Grupo Reflexivo sobre violência contra a Mulher retoma sessões

Sessões, que serão realizadas por videoconferência, começam nesta terça-feira (9/6)

Publicado em: 08 de junho de 2020 às 14:53 | última atualização: 08 de junho de 2020 às 14:53

A Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) retoma nesta terça-feira( 9/6), por videoconferência, o Grupo Reflexivo para Supostos Autores de Violência Contra a Mulher.

As sessões foram suspensas em março devido à pandemia da Covid-19 para que se evitasse  aglomerações.

A turma é formada por 25 homens em sessões coletivas e terapêuticas com ajuda psicológica em um processo de ressocialização promovida pelo Centro de Referência da Mulher Cora Coralina, a fim de vencerem o ciclo de violência.

Nas sessões, os participantes são levados a refletir sobre a construção dos gêneros na sociedade, possessão, machismo, entre outros pontos que permeiam os casos de abuso. Os autores são encaminhados de forma compulsória pelos juízes dos respectivos processos julgados com base na Lei Maria da Penha e participam de 10 encontros, em que são abordados temas como a origem da violência, a relação entre homens e mulheres, a relação entre pais e filhos, masculinidades, álcool e drogas e a Lei Maria da Penha. Eles são obrigados a participar das reuniões, como uma das medidas que condicionam suas liberdades.

A intenção é evitar a reincidência e promover a responsabilização entre os participantes . 

Segundo a titular da pasta, Ana Carolina Almeida, devido à pandemia, o grupo reflexivo teve que ser suspenso, mas o órgão vai utilizar de ferramenta on line para retomar as sessões. "Para que nosso trabalho não fique prejudicado, iremos fazer uso da videoconferência para que consigamos manter o nosso objetivo de auxiliar e prestar os nossos serviços com excelência", disse.

O projeto é uma parceria entre a Secretaria de Desenvolvimento Social de Goiás (Seds), Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), Prefeitura de Goiânia e Faculdade Universo.

Roberta Amorelli, da editoria de Políticas Para as Mulheres