Neste 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, a Prefeitura de Goiânia alerta sobre a importância de identificar pessoas em sofrimento e que precisam de ajuda. Durante todo o ano, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio das equipes da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), incentiva atividades de prevenção, promoção e recuperação da saúde mental, a partir da conscientização e alerta sobre as tentativas de suicídio. E, no Setembro Amarelo, essas ações são reforçadas com temáticas abordadas de diferentes formas nas unidades de saúde do município.

Com base em documentos do Ministério da Saúde (MS), a gerente de Saúde Mental da SMS, Kellen Cristina Fernandes Nasser, salienta que não há receita para detectar seguramente uma crise suicida em uma pessoa próxima, mas alguns sinais de alerta podem ser observados, tais como falar sobre morte e suicídio com frequência, confessar se sentir sem esperanças, culpadas, com falta de autoestima, apresentar uma visão negativa de sua vida e futuro ou ainda de manifestações verbais como: “vou desaparecer”; “vou deixar vocês em paz”; “eu queria poder dormir e nunca mais acordar”.

Orientações do MS são destacadas pela gerente como indicadores que não devem ser interpretadas como ameaças e nem como chantagens emocionais, mas como sinais de alerta para um risco real. “É muito importante ser compreensivo, além de estar disposto a conversar e escutar a pessoa sobre o porquê de tal comportamento, criando um ambiente tranquilo, sem julgar a pessoa afetada. Conversar abertamente com a pessoa sobre seus pensamentos suicidas não a influenciará a completá-los. O incentivo para que a pessoa procure apoio profissional é fundamental”, ressalta.

Já a gerente de Vigilância às Violências e Acidentes da SMS, Ionara Rabelo, chama a atenção para as evidências que foram publicadas em diversos países e organizações científicas, que consideram o contexto da pandemia de Covid-19 como um indicador de alerta para um aumento ainda maior nas ocorrências de suicídio e automutilação, devido ao agravo de riscos psicossociais, medo do contágio, ansiedade, isolamento social, luto e stress das tensões relativas à infecção.

Segundo Ionara, no município de Goiânia houve aumento de 456,4% nas notificações de violência autoprovocadas entre 2015 e 2020. “Tal aumento aponta tanto para a maior sensibilidade das equipes profissionais em identificar o fenômeno e realizar a notificação compulsória, bem como, uma maior procura pelos serviços de saúde mental”, conclui. Ela chama a atenção para as ações que o município desenvolve na Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), composta por 17 unidades.

Atendimento na RAPS

Goiânia disponibiliza atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para pessoas em sofrimento psíquico por meio dos serviços da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), composta pelos seguintes locais.

• 12 Centros de Atenção Psicossocial, sendo: 5 Caps II (Beija-Flor, Vida, Esperança, Oeste e Liberdade), 3 Caps III (Novo Mundo, Ipê e Noroeste), 3 Caps Infanto Juvenil (Girassol, Água Viva e Cativar);
• 01 Pronto Socorro Psiquiátrico Wassily Chuc;
• 01 Ambulatório Municipal de Psiquiatria;
• 01 Centro de Convivência Cuca Fresca;
• e 02 Associações de Trabalho e Produção Solidária da Saúde Mental (Gerarte).

Ações reforçadas no mês de setembro

• Varal de poesias, que está afixado na recepção do serviço e área externa da frente, com poemas de valorização da vida, e que os usuários são convidados a escolher, declamar, levar para casa
• Mural para exposição de desenhos ou mensagens dos usuários do serviço, em momentos de atendimento
• Painel de botons “o que te faz mais feliz” – os usuários e familiares são convidados a decorar um boton amarelo e colocar no painel
• Postadas que fazem alusão à prevenção ao suicídio e valorização da vida
• Roda de Conversa com Adolescentes
• Roda de Orientações aos pais e familiares e por fim os serviços são convidados a participarem de atividades desenvolvidas por outras instituições
• Roda de Conversa com Adolescentes
• Roda de Orientações aos pais e familiares e por fim os serviços são convidados a participarem de atividades desenvolvidas por outras instituições
• Roda de conversa virtual com adolescentes e jovens e atividades virtuais com utilização de redes sociais como Instagram.

Sirlene Mendonça, da editoria de Saúde

prefeitura de goiânia

saúdegyn

setembro amarelo