Estamos migrando o conteúdo dos antigos sites da Prefeitura. Se não encontrar o que está procurando, CLIQUE AQUI e acesse o site antigo.

VOLTAR para o site antigo.

BETA i

Coronavírus

Atenção psicossocial ao trabalhador da saúde tem estratégias específicas

Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia quer garantir que não falte psicólogos e assistentes sociais na cobertura das unidades

Publicado em: 17 de abril de 2020 às 13:10 | última atualização: 17 de abril de 2020 às 15:42

O apoio psicossocial que está sendo desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) aos profissionais da linha de frente no atendimento aos pacientes de Covid-19 inicia uma nova fase.

Foram montadas pelo menos 19 equipes de psicólogos e assistentes sociais, somando inicialmente 70 profissionais, que vão atuar junto aos servidores, sendo 12 na urgência e 07 nas unidades do Estratégia Saúde da Família com ações específicas.

As atividades terão estratégias diferenciadas já que na urgência chegam casos mais graves e nas unidades de atenção primária os casos mais leves. "Elas têm características totalmente diferentes, pois sabemos que na urgência o nível de alerta aumentará cada vez mais, a sobrecarga de trabalho é maior devido à situação em que chegam os pacientes e isso aumenta a tensão e ansiedade dos servidores", explica a psicóloga Ionara Rabelo.

Já a atenção primária, segundo a profissional, tem outra forma de contato com pacientes com sintomas leves. "Ela precisa cuidar mais da comunidade, ter redes solidárias e um suporte comunitário", acrescenta Rabelo.

Uma das medidas iniciais é direcionar o psicólogo ideal para cada uma dessas situações, respeitando a habilidade para orientar o servidor baseado na realidade em que ele se encontra.

Neste momento da pandemia da Covid-19, a SMS está ainda realocando os psicólogos dos ambulatórios para a urgência para garantir que nenhuma unidade fique descoberta do quantitativo necessário de psicólogos e assistentes sociais.

“O cuidado com a saúde do trabalhador é uma das prioridades da SMS. Se o profissional está seguro haverá também a segurança do paciente”, garante Camila Lucas de Souza, diretora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas.   

Adriana Moraes, da editoria de saúde