Estamos migrando o conteúdo dos antigos sites da Prefeitura. Se não encontrar o que está procurando, CLIQUE AQUI e acesse o site antigo.

VOLTAR para o site antigo.

BETA i

Comunicação

Secretaria Municipal de Saúde acolhe novos médicos residentes

Na solenidade de acolhimento, prefeito Iris Rezende anunciou complemento ao valor da bolsa que os Ministérios da Saúde (MS) e Educação (ME) pagam aos residentes

Publicado em: 02 de março de 2020 às 15:57 | última atualização: 02 de março de 2020 às 15:59

A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) deu as boas-vindas aos novos médicos residentes, nesta segunda-feira (02/03), às 8h, no Salão Nobre do Paço Municipal. Na solenidade de acolhimento, estiveram presentes o prefeito Iris Rezende, a secretária de Saúde de Goiânia, Fátima Mrué, a coordenação da Escola Municipal de Saúde Pública, superintendentes, diretores e gerentes da SMS, além dos coordenadores e preceptores dos Programas de Residência Médica oferecidos pela secretaria.

Ao todo, foram recepcionados 26 médicos aprovados para as vagas das seguintes especialidades médicas: mastologia (1), neonatologia (3), pediatria (6), ginecologia e obstetrícia (7) e Medicina de Família e Comunidade (PRMMFC) (9). Todos os residentes receberão bolsa no valor de R$ 3.200 reais financiada pelos Ministérios da Educação e Saúde para desenvolverem as atividades teóricas e práticas com carga horária de 60 horas semanais.

Na conversa que teve com os novos residentes, o prefeito Iris Rezende anunciou um complemento à bolsa. “Vamos definir o valor com a secretária Fátima Mrué, o importante é que vocês sejam valorizados como merecem”, disse o prefeito Iris Rezende.

O programa de Medicina de Família e Comunidade é a grande novidade este ano, acontece em Goiânia pela primeira vez. Para a secretária Fátima Mrué, a nova modalidade de residência é uma grande conquista para a saúde na capital, vai formar médicos para atendimento nas unidades básicas de saúde.

“É um programa que vem dando certo em outros países e tem sido priorizado pelo Ministério da Educação porque é voltado para o atendimento a todos os ciclos de vida de uma família, desde a criança até os avós desses criança, ou seja, é um atendimento que independe de idade, sexo ou problema de saúde. Além disso, com esse atendimento, podemos resolver até 90% dos problemas de saúde de uma família”, enfatizou a secretária.

“Às vezes a pessoa está doente, mas a doença veio do meio onde ela vive, se trato somente a doença e não olho pra família, que também está adoecida, não consigo resolver o problema de forma satisfatória. Por isso, a importância dessa especialidade. Temos como olhar pra todos e conseguir prevenir que adoeçam”, reforçou a coordenadora do Programa de Residência Médica em Medicina da Família e Comunidade que é especialista na área.

O curso tem a duração de dois anos e a cada ano serão incluídos nove novos residentes. Assim, em março de 2021, a SMS contará com 18 residentes nesta modalidade – nove entram agora e nove no início do segundo ano. Vanessa Pedroso Lemos está entre médicos aprovados para a nova residência. Ela diz que escolher ser especialista em saúde da família por que se identifica com o tipo de atendimento e porque é uma área que está se expandindo no mundo todo e sendo, cada vez mais, valorizada.

Amanda Alves Pereira já atua na saúde da família e agora aposta na especialização para aprimorar os conhecimentos na área que se realiza. “Temos um retorno muito positivo da relação com o paciente e isso nos traz uma satisfação pessoal muito grande”, relata.

A especialista em ciências comportamentais, Núbia Almeida, fez a palestra motivacional para o grupo. “Passamos pra eles que precisam compreender que a profissão de médico requer dedicação exclusiva, que são seres humanos e que estão nesta profissão para servir às pessoas com todos os talentos que lhes foram atribuídos, as competências técnicas, emocionais, mas que precisam saber que não estão sozinhos nessa caminhada longa, mas prazerosa”, destacou.

PRMMFC

O PRMMFC/SMS está de acordo com a Resolução do Ministério da Educação Nº 01 de 25 de maio de 2015, que regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência e consiste em uma modalidade de ensino de pós graduação latu sensu, destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização e se caracteriza por treinamento em serviço.

O Programa possui o objetivo de formar Médicos de Família e Comunidade (MFC) com competência para atuar na atenção primária à saúde (APS) que é parte importante da Área de Atenção à Saúde (RAS). A assistência às famílias e comunidade é feita em consonância com o meio ambiente, com o comprometimento da construção e consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS).

A iniciativa tem como base os princípios da vigilância em saúde, da ética médica e o modelo de atenção da Estratégia de Saúde da Família (ESF). As atividades teórico-práticas do programa terão a maior parte da carga horária concentrada nas unidades de saúde da família.

Sirlene Mendonça, da editoria de Saúde