Para marcar o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, a Prefeitura de Goiânia lança nesta quarta-feira (2/12) a revista “Mulheres Empoderadas”, projeto editorial que conta a trajetória de 10 mulheres que enfrentam desafios diários em busca de uma sociedade mais inclusiva e acessível. O evento de lançamento, que seguirá todos os protocolos sanitários estabelecidos pelas autoridades médicas, será realizado na Estação Ferroviária, a partir das 9 horas.

Idealizado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas (SMDHPA), em parceria com a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) e o GoiâniaPrev, o projeto conta histórias de mulheres como a da professora Jandira Azevedo, deficiente visual que teve a oportunidade de ser alfabetizada apenas aos 23 anos e que hoje, aos 62, se prepara para o iniciar o curso de doutorado. 

Para o secretário de Direitos Humanos de Goiânia, Filemon Pereira, o objetivo do projeto é estimular o respeito à diversidade por meio de histórias de mulheres que conquistaram espaços importantes em sociedade apesar do preconceito, do capacitismo e das dificuldades de comunicação. “A revista apresenta histórias de mulheres que, vestidas de coragem e sorrisos, sempre lutaram para conquistar seus espaços como cidadãs e para construir suas próprias identidades”, afirma.

A revista faz parte do projeto “Mulheres por Direitos”, um programa desenvolvido pela gestão do prefeito Iris Rezende para conscientizar e garantir que os direitos das pessoas com deficiência e das mulheres sejam respeitados. Além do material editorial, o projeto promoveu uma exposição fotográfica no Shopping Cerrado, produziu um curta metragem e realizou diversas oficinas. 
Além de contar com a presença de autoridades do município, o evento de lançamento será prestigiado pelas mulheres que participaram da iniciativa. Na ocasião, elas receberão exemplares da revista. O material também será distribuído em entidades e órgãos públicos que atuam em prol da defesa das pessoas com deficiência em Goiânia.

Thiago Araújo, da Diretoria de Jornalismo

Direitos Humanos

superação