Ciência e Tecnologia

Eficiência e economicidade na política de impressões da gestão

Normativa visa uso consciente e sustentável dos serviços de impressão e cópia na administração Rogério Cruz

Publicado em: 16 de abril de 2021 às 13:04 | última atualização: 16 de abril de 2021 às 16:55

Tamanho da fonte:
-A A A+

Foi publicado no Diário Oficial desta quinta-feira, dia 15 de abril, o Decreto nº 2.392, que institui a Política de Impressão da Prefeitura de Goiânia. Entre os destaques do documento estão o monitoramento e controle de impressões por software de gestão, o estabelecimento de cotas por colaborador, a criação de ilhas de impressão em locais estratégicos com equipamentos mais eficientes de médio e grande porte, além de orientações e responsabilidades dos agentes públicos no uso do serviço de impressão.

De acordo com o secretário interino de Inovação, Ciência e Tecnologia, Ricardo De Val, a normativa é amparada pelos princípios de eficiência e de economicidade da Administração Pública, pilares da gestão do prefeito Rogério Cruz. “É importante que cada colaborador municipal conheça a Política de Impressão e faça o uso racional e sustentável do serviço e de todo e qualquer recurso público e ambiental”, destaca o secretário sobre o documento que determina, inclusive, que os equipamentos de impressão sejam usados exclusivamente para interesse da administração, sendo vedada a impressão de documentos particulares.

A Política de Impressão define, ainda, que cabe à Secretaria Municipal de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sictec) a avaliação técnica para implantação das ilhas de impressão, já disponíveis em todas as secretarias municipais; a promoção de processos de auditoria e de monitoramento; autorização para movimentação de equipamentos, entre outras prerrogativas para redução de custos com impressão e adoção de práticas de sustentabilidade e de planejamento.

Para elaboração da Política de Impressão, foram feitos levantamentos de espaços físicos, equipamentos disponíveis e necessidade de impressão. “Os estudos foram determinantes para a definição da quantidade de máquinas, robustez dos novos equipamentos e critérios de distribuição espacial das impressoras”, explica De Val.

O secretário interino acrescenta que, em alguns órgãos, pelo layout do departamento, não foi possível contemplar o modelo de ilha com equipamentos mais robustos. “Nesses locais, foram disponibilizadas multifuncionais distribuídas pelo órgão”, informa.

Denise Ribeiro, da editoria da Secretaria Municipal de Inovação, Ciência e Tecnologia